O garimpo ilegal na Venezuela: Um mapa do problema

Imagem em destaque da nota

A crise econômica e a falta de expectativas que atravessa o país é o terreno fértil para que milhares de venezuelanos e venezuelanas migrem para o Amazonas para se dedicarem ao garimpo ilegal. Diante da falta de oportunidades, desde jovens sem formação até criminosos profissionais se vêem obrigados a entrar em uma mina para se submeterem a esta atividade insalubre. As comunidades indígenas não escapam dessa dinâmica: se não se tornam garimpeiros ou fazem vista grossa, sabem que as máfias irão atrás deles. Devido ao desmatamento e a contaminação dos rios com mercúrio, a ameaça de ecocidio paira sobre centenas de comunidades.

A crise econômica e a falta de expectativas que atravessa o país é o terreno fértil para que milhares de venezuelanos e venezuelanas migrem para o Amazonas para se dedicarem ao garimpo ilegal. Diante da falta de oportunidades, desde jovens sem formação até criminosos profissionais se vêem obrigados a entrar em uma mina para se submeterem a esta atividade insalubre. As comunidades indígenas não escapam dessa dinâmica: se não se tornam garimpeiros ou fazem vista grossa, sabem que as máfias irão atrás deles. Devido ao desmatamento e a contaminação dos rios com mercúrio, a ameaça de ecocidio paira sobre centenas de comunidades.

Não é segredo para ninguém que a Venezuela atravessa a fase mais difícil de sua história moderna. Embora já tenha se tornado um lugar comum, estamos falando de um país do qual se estima (e dizemos “estima”, já que não existem dados oficias disponíveis) que nos últimos dez anos perdeu cerca de 80 por cento de seu Produto Interno Bruto (PIB) a partir do conflito político interno, os erros do governo, a sabotagem da oposição e as sanções econômicas dos Estados Unidos.

Para se ter uma ideia, é mais que o dobro do que Cuba perdeu durante o denominado “período especial”. Quase quatro vezes mais do que a Grécia perdeu após o colapso da pós-crise financeira de 2008. E, de fato, mais do que a Síria e o Iêmen perderam durante a devastadora guerra que ambos países enfrentaram nos últimos anos. O único PIB que caiu mais que o da Venezuela até agora no século XXI e pelo menos no último quarto do século XX é o da Líbia, nação praticamente apagada do mapa pela invasão militar de 2011.

A derrocada da macroeconomia venezuelana tem seu correlato no chamado “micro” sofrido pelas famílias. Em uma cidade como Puerto Ayacucho, a capital do estado Amazonas, uma peça de veículo, um litro de gasolina ou um prato de comida pode custar o mesmo ou mais que em Caracas, com o agravante de que as pessoas ganham bem menos. No caso as comunidades indígenas, o drama se agrava. Um voo de avião para levar suprimentos para comunidades isoladas é excessivamente caro. Caso a viagem é pelo rio, o combustível-quando obtido- é vendido a preços superiores do que o oficialmente estabelecido.

A isto são somados os problemas recorrentes de insegurança pela ação de grupos irregulares e custos associados a matracas (subornos) em pontos de inspeção e postos de controles. Se a situação em Caracas, Maracay ou Maracaibo é difícil, em lugares do interior pode ser simplesmente desesperador.

Imagen

A crise econômica, a falta de expectativas e a migração interna em massa são o terreno fértil para o crescimento da mineração ilegal. Foto: José Guarnizo / Semana

Imagen

A crise econômica, a falta de expectativas e a migração interna em massa são o terreno fértil para o crescimento da mineração ilegal. Foto: José Guarnizo / Semana

Mobilidade social forçada

Em grande parte, a situação econômica atual explica os grandes fluxos migratórios de venezuelanos e venezuelanas para outras latitudes. Embora não exista consenso nos números, temos algumas aproximações. Segundo a Plataforma Interagencia R4V, coordenado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) e pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), a migração venezuelana alcançou 7.239.957 pessoas em março de 2023. Se pegarmos os números mais conservadores, estamos falando de ao menos 3 milhões de pessoas que deixaram o país nos últimos anos: 10% da população estimada para 2021, segundo o censo de 2011.

É necessário complementar os números da emigração com o êxodo (não tão mencionado) que ocorre internamente, ou seja, não da Venezuela para outros países, mas dentro de nossas próprias fronteiras. São milhares e talvez milhões de pessoas migrando de uma área, cidade ou região para outra, passando de uma ocupação para outra, de um emprego para outro, com o objetivo de encontrar uma melhor qualidade de vida. Muito provavelmente, neste caso, estamos falando de um fluxo migratório muito mais variado do que o que ocorre fora de nossas fronteiras.

A área de terras diretamente afetadas pela mineração de ouro vem crescendo rapidamente desde 2016. Em 2019 atingiu cerca de 33.900 hectares e em 2021, cerca de 133.700 hectares.: um crescimento de 294 por cento.

Segundo estimativas de Wataniba, a área de terras diretamente afetadas pela mineração de ouro vem crescendo rapidamente desde 2016.

Quando falamos de migração interna, nos referimos a famílias e pessoas de renda média ou alta que se mudam para Caracas fugindo dos apagões e da precariedade geral dos serviços públicos em suas cidades ou vilas de origem. E também para as pessoas que procuram um trabalho que lhes permita sobreviver e inverter a falta de expectativas face a um futuro tão incerto ou até mais incerto que o presente. É justamente nesse caldo que se cultiva a mineração “ilegal”: uma das formas desse “cada um por si” em que se encontra a grande maioria dos venezuelanos.

Prova do que dizemos é o crescimento acentuado do garimpo ilegal, em pleno aprofundamento da crise nacional. Segundo estimativas de Wataniba, por meio de imagens de satélite e trabalhos de campo, a área de terras diretamente afetadas pela mineração de ouro vem crescendo rapidamente desde 2016. Em 2019 atingiu cerca de 33.900 hectares e em 2021, cerca de 133.700 hectares.: um crescimento de 294 por cento. O agravamento da crise nacional alimentada pelos efeitos da pandemia global desempenhou um papel preponderante neste crescimento.

Imagen

Imagen

O buraco negro da mina

Os garimpos ilegais nos estados do Amazonas e Bolívar estão cheios de homens e mulheres de todos os cantos do país que procuram “fazer El Dorado”. De delinquentes e jovens do leste de Caracas a médicos, advogados, professores, ex-policiais, ex-soldados, trabalhadores, pescadores e contadores. Mas também mulheres, meninas e idosos. Sabe-se que famílias inteiras se mudaram para as minas. Na mina localizada no Parque Nacional Yapacuana, que os moradores chamam de “La Finca”, vivem cerca de 15 mil pessoas, a maioria “criollos” (ou seja, não indígenas). Seria a segunda maior aglomeração do estado do Amazonas depois de Puerto Ayacucho, sua capital.

Essa mão de obra precária convive com as comunidades indígenas, gravemente afetadas em suas estruturas sociais, culturais e econômicas, pela ação de grupos irregulares e máfias que se consolidaram na região. Embora os migrantes decidam entrar em uma mina na esperança de mudar seu destino e o de seus entes queridos, a realidade costuma ser menos benigna: jovens indígenas e não indígenas morrem devido à violência ou às precárias condições de trabalho; mulheres de todas as idades são vítimas de prostituição forçada; e as pessoas acabam trabalhando em regime de semi-escravidão para pagar dívidas e insumos aos “donos” das minas (muitos deles estrangeiros). Esta situação é do conhecimento de todos, mesmo que ninguém fale em voz alta com medo das consequências.

No caso das comunidades indígenas, significa tornar-se garimpeiro ou fazer com que as máfias que comandam o negócio primeiro se ofereçam para colaborar ou façam vista grossa, mas depois os atropelem.

Suas estruturas de governança têm sido fragmentadas em decorrência da existência de opiniões conflitantes sobre a atividade mineradora.

Ao mesmo tempo, o buraco negro das minas acabou arrastando indígenas e indígenas, alguns “voluntariamente”, mas muitos outros à força. Dizemos “voluntário” entre aspas pois as pessoas que “escolhem” entrar neste trabalho muitas vezes o fazem pela simples razão de não haver outras opções. É isso ou a condenação a uma existência sem expectativas em meio à mais aguda precariedade; é correr esse risco ou viver mal com a certeza de que sua família passará fome e sofrimentos de todos os tipos na ausência de empregos e salários decentes. No caso das comunidades indígenas, significa tornar-se garimpeiro ou fazer com que as máfias que comandam o negócio primeiro se ofereçam para colaborar ou façam vista grossa, mas depois os atropelem.

Esta situação afeta não só os indígenas que foram forçados a migrar para os garimpos como única alternativa de acesso à renda econômica, mas também aqueles que permanecem nas comunidades onde a dinâmica cotidiana foi alterada. De facto, menos pessoas se dedicam ao cultivo dos conucos (terras destinadas ao cultivo da mandioca) e ao comércio dos seus produtos tradicionais. Por outro lado, suas estruturas de governança têm sido fragmentadas em decorrência da existência de opiniões conflitantes sobre a atividade mineradora. Além disso, as possibilidades de enfrentar as pressões de grupos externos são cada vez menores. Tudo isso afeta a capacidade produtiva dos povos indígenas sobre suas terras, territórios e recursos, bem como o direito à autonomia e ao autogoverno.

Imagen

Transbordamento do rio Uairén em agosto de 2022 associado ao desmatamento causado pela mineração. Foto: Wataniba

Imagen

Transbordamento do rio Uairén em agosto de 2022 associado ao desmatamento causado pela mineração. Foto: Wataniba

Um passivo ambiental que caminha para irreversibilidade

Um elemento adicional a considerar é o grave impacto ecológico que afeta diretamente as comunidades indígenas. A maior parte do país é sensível aos danos ecológicos em nossa Amazônia, mas não sofre com isso na primeira pessoa nem tem uma relação cultural, afetiva e de visão de mundo como os povos indígenas. São inúmeros os relatos de envenenamento pelo consumo de mercúrio dos garimpos: primeiro os rios são contaminados e depois os peixes, que são a principal fonte de alimentação dos indígenas. Ao mesmo tempo, forasteiros espalham doenças que causam estragos nas comunidades. A propagação da malária observada nos últimos anos também é resultado da mineração, já que o desmatamento e a erosão da terra acabam criando condições de água estagnada onde proliferam os mosquitos.

Por outro lado, a Amazônia venezuelana possui particularidades que a tornam especialmente sensível. A idade antediluviana do solo significa que sua imensamente rica biodiversidade não pode ser regenerada, exceto em taxas extremamente lentas. Se o dano não for irreversível. Por isso, não se trata apenas de reflorestar o que foi desmatado ou limpar as águas dos rios como quem limpa o leito de um córrego entupido. Trata-se de parar o dano com urgência.

O que para os demais venezuelanos e venezuelanos pode resultar em um ecocídio que nos indigna em maior ou menor grau, para os indígenas equivale ao fim de seu mundo.

O que para os demais venezuelanos pode resultar em um ecocídio que nos indigna em maior ou menor grau, para os indígenas equivale ao fim de seu mundo.

Devemos lembrar (e isso é algo que afeta a todos nós, principalmente aos que moram nas grandes cidades) que o desmatamento no Amazonas implica na redução dos mananciais. Para a Venezuela, isso traz consequências para as lavouras, devido ao aumento da seca, e para a geração de eletricidade (já deficiente) produzida quase que exclusivamente pelo sistema Guri, no estado de Bolívar. Em 2023, provavelmente teremos uma amostra acentuada disso, dadas as previsões para o evento climático El Niño. Nesse sentido, podemos passar por situações tão ou mais graves do que as vividas em 2016 e 2009.

Finalmente, o que para os demais venezuelanos e venezuelanos pode resultar em um ecocídio que nos indigna em maior ou menor grau, para os indígenas equivale ao fim de seu mundo. Não se trata apenas de ver desaparecer o seu habitat, mas também a sua forma de compreender e viver a vida, os seus lugares sagrados e a terra dos seus antepassados ​​e dos seus deuses. Tudo sob a ação predatória de personagens e grupos movidos pela ambição. Isso coloca boa parte da população indígena da Amazônia venezuelana diante de um dilema perverso: ou encaram sabendo que é uma luta desigual, ou aderem ao extermínio garimpeiro na esperança de, ao menos, conseguir algum dinheiro disso, beneficie seus entes queridos.